Over-tunes
Por alguns trocados, só coisas de qualidade!

rock & load - parte I

Categoria: , , , por default - terça-feira, outubro 07, 2008
Acabou o mês de setembro e eu ainda não escrevi sobre este grande acontecimento.
Bom, antes tarde do que nunca.
No dia 6/09, aconteceu a primeira edição do Orloff Five, inaugurando a temporada de shows internacionais em SP. O festival contou com a presença de Vanguart, Melvins, The Plasticines, The Hives e o DJ Tittsworth. Como tem muita coisa pra ser contada, farei por partes.

O FUNERAL VIKING

Tudo começa na quinta-feira, dia 4. Sessão de autógrafos dos Hives. Confesso que nunca fui muito de pegar autógrafos, nunca achei que fossem mais do que pedaços de papel, mas como o Hives é uma banda de que sempre gostei e os caras estavam tão perto, ali na FNAC Paulista, resolvi dar uma passada lá para conferir, eu e mais um camarada. Confesso que fiquei surpreso quando cheguei à fila: não esperava tanta gente. Tinha desde nego usando camiseta do Bob Marley até os sempre convenientes e adorados emos, acho que mesmo se fosse uma sessão de autógrafos do grupo Los Del Rio eles estariam lá.

Depois de um pouco mais de uma hora, adentramos o auditório armado na cafeteria da FNAC e lá estão eles. O guitarrista-doidão Nicholas Arson até pareceu gente boa, mas o resto dos caras parecia que tinha acabado de beber uma dose dupla de caipirinha de água sanitária. Coisas de rockstar. Mas na verdade minha expectativa estava voltada para o debate no dia seguinte: Buzz Osbourne, Dale Crover e Michael Azerrad.
[1]

THE BUZZ SHOW

Na sexta-feira, quase ninguém na fila, o que sem dúvidas foi melhor, pois a capacidade do auditório estava reduzida para 60 pessoas. Às 19h em ponto, surgem Buzz Osbourne, Michael Azerrad, André Barcinsky (um dos organizadores do Orloff Five) e para surpresa geral, o lendário baterista Dale Crover.

Buzz e Dale começaram falando sobre o difícil começo. "Começamos tocando aonde nos deixassem tocar. Restaurantes, lugares que serviam panquecas...". Michael, biógrafo do Nirvana e autor do ótimo livro "Our Band Could Be Our Life", também lembrou que o Mission Of Burma, que no início dos 80's era uma das únicas bandas da cena punk, gravava e distribuía os albuns por conta própria, e quase nunca havia lugares para tocar. "Lembro que na época, a única coisa que rolava nas college-radios era Emerson, Lake & Palmer e Queen", disse Michael, seguido por alguns risos contidos na platéia.
[2]

Se este era o panorama das rádios universitárias na época, como aconteceu o contato dos três com o punk? Azerrad foi o primeiro a responder: "Meu contato com o punk foi quando conheci o dono da maior, ou da unica, loja de discos punk em londres, 'boy'. Na inglaterra o punk ainda nao tinha tanto destaque, a unica coisa falada sobre eles era que eles queriam matar a rainha & stuff like that. Na época, também líamos a Creem Magazine. Sempre havia umas matérias sobre os Pistols e sobre gente esquisita em geral". Dale ainda completou que Buzz teve um importante papel neste aspecto. "Buzz gravava várias fitas para todo mundo. Sex Pistols, Clash, The Damned...". Dentre as pessoas incluídas nesse "todo-mundo", estava ninguém menos que Kurt Cobain.

"Sim, fui eu quem introduziu Kurt à música punk", disse Buzz, em tom de arrependimento. Em seguida a esta declaração, alguém fez uma pergunta sobre como Buzz e Dale se sentiam com a ascenção de várias bandas de Seattle ao mainstream e paralelamente, o Melvins ter ficado em segundo plano, de certa forma. As respostas foram secas e diretas:

"Nirvana? DEAD!"
"Malfunction? Great band, but half of the band is DEAD!"
"Soundgarden? AUDIOSLAVE!"
"Alice In Chains? The guy died and it took two months for people noticing he was DEAD!"

Esta foi somente uma amostra do humor negro de King Buzzo. Lá pro final do debate, alguém perguntou: "Todos estes caras morreram, e vocês ainda estão ai. O que leva vocês a continuarem?"
Dale respondeu com uma sinceridade de dar inveja. "Se não estivéssemos na banda, provavelmente estaríamos fritando hamburguers no McDonald's". E Buzz finalizou, ainda mais sincero: "Eu não. Eu tentei trabalhar lá quando era adolescente mas não me deixaram".

To be continued...
[2]

Créditos das fotos:

[1] UOL
[2] Pierre
 

0 comments so far.

Something to say?